Follow by Email

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

O Poema da Camiseta



Ontem, durante a edição 13 de Meus Poemas Sou Eu Escrito, discutíamos a relação entre forma e conteúdo, quando meu convidado, Ricardo Mainieri, citou o poema impresso na camiseta que eu vestia. Creio que ainda não o tinha publicado, então ele vai da maneira como entrou na discussão ontem... na camiseta.



segunda-feira, 20 de agosto de 2012

UNANIMIDADESUMANIDADE





"Posso não concordar com uma palavra do que dizes, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-lo." (Voltaire)

me criei em um tempo
em que todo mundo
pensava igual
porque era proibido
pensar diferente.

se dizia
"Brasil, ame-o ou deixe-o"
e os que amavam
precisavam fugir.

me criei num Brazil
de unanimidades
e aprendi
que a unanimidade é burra,
que a unanimidade é bruta,
que a unanimidade é uma arma
da mediocridade
pra se fazer importante.

lutei sem armas,
fui clandestino, porque
a unanimidade era a lei
e o silêncio cresceu.

vi  a unanimidade apodrecer.
vi os medíocres caírem
porque não tinham mais
capacidade de calar  
a discórdia.

não sou exatamente cordato,
discordo com veemência,
mas não tiro de ninguém
o direito de pensar.

discordância
é vida;
unanimidade,
morte!

discordo da unanimidade.
discordo do concordismo.
discordo dos discursos bonitinhos.
discordo da concórdia
que cala os adversários.

faço minha
a fala da discórdia!
que todos acordem
e que a concórdia forçada
tenha a força de uma corda
onde os tiranos
se enforquem.

(ilustração: recriação gráfica que fiz sobre foto de Vladimir Herzog)

sábado, 11 de agosto de 2012

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

VERSO SUB VERSO







poetas não respondem
à necessidade capitalista
de produção

poetas respondem
à necessidade humanista
de emoção

poetas são
subversivos
transformam língua em lâmina
e ferem de morte o sentido

poetas são
corruptores
pegam pequenas palavras
e as obrigam a dizer muito

poetas
são loucos

por sorte
são poucos


Porto Alegre, 23/05/2012